quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

O verdadeiro sentido do Natal de Jesus

Uma reflexão sobre o verdadeiro sentido do Natal e a segunda vinda de Jesus Cristo ao mundo.
No final do Tempo do Advento e na proximidade das festas natalinas, o verdadeiro sentido do Natal, da vinda de Jesus Cristo ao mundo, pode ficar obscurecido em meio a tantas coisas que podemos julgar importantes, mas na realidade não são. Neste tempo, é normal que nos preocupemos com a ceia de Natal, com os presentes, com a roupa que vestiremos e tantos outros detalhes que fazem parte das comemorações. No entanto, celebrar o Natal não é simplesmente festejar o aniversário de Jesus Cristo. Em festas de aniversário, normalmente a preparação se limita ao cuidado com o lugar da festa, as comidas, as bebidas, a lista de convidados e outros detalhes exteriores. Mas, celebrar o nascimento de Jesus Cristo, “Deus conosco”1, exige muito mais do que a simples preparação exterior. A este respeito, podemos até dizer que nos confessamos e fizemos atos de caridade, que neste tempo são práticas comuns. Estas nos ajudam a nos preparar para o Natal, mas não suficientes. O Menino Deus precisa ser acolhido e, para saber se estamos prontos para isso, podemos fazer a nós mesmos algumas perguntas: temos lugar para Deus em nossas vidas? Onde acolheremos o Senhor? Qual será a nossa atitude depois de acolher Jesus Cristo em nossas vidas? Responder a estas perguntas pode nos revelar qual é o verdadeiro sentido do Natal.
Uma reflexão sobre o verdadeiro sentido do Natal e a vinda de Jesus Cristo ao mundo.
A Virgem Maria e São José pedindo um lugar na hospedaria em Belém
Não havia lugar para acolher a Sagrada Família
Em Belém, ninguém quis acolher São José e a Virgem Maria, e com ela o Menino Deus. Neste fato, temos uma imagem da realidade espiritual de que, quando deixamos de acolher a Mãe, deixamos de acolher também o Filho. Como não havia outro lugar, a Santíssima Virgem “deu à luz seu filho primogênito, e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria”2. Esta hospedaria é a imagem dos corações ingratos, que acolhem qualquer tipo de pessoas, mas não tem lugar para Deus. A este respeito, “Maria Santíssima disse a uma alma devota: Foi uma disposição divina que a mim e a meu Filho nos faltasse agasalho da parte dos homens, afim de que as almas cativadas pelo amor de Jesus se oferecessem a si próprias para o acolherem e o convidassem amorosamente a tomar morada em seus corações”3. Depois de dois mil anos, Jesus Cristo continua a vir e procurar um lugar para nascer. Entretanto, quantas vezes não somos nós mesmos que não temos lugar para Ele, por que amamos muito mais as criaturas do que o Criador4? Por vezes, nossos corações são como uma péssima hospedaria, cheia de hóspedes das piores estirpes: egoístas, mentirosos, arrogantes, preguiçosos, amantes do prazer. Quantas vezes dizemos que não temos tempo para rezar, mas na correria do dia a dia temos tempo para tudo e para todos, menos para o Senhor do tempo5? Por estas e outras razões que nos venham ao pensamento nestas reflexões, este Natal é um convite para que preparemos o nosso interior e acolhamos o Menino Jesus, que fará morada Sua em nossos corações6.
Assista vídeo do Play Canção Nova sobre “Como preparar o coração para o Natal?”:
O Menino Deus procura um lugar para ser acolhido
Jesus Cristo veio ao mundo, que “foi criado por ele e para ele”7, mas não foi acolhido pelos homens: “Veio para o que era seu e os seus não o receberam”8. Por isso, o Natal é sempre um convite para preparar os nossos corações para acolher o Menino Jesus. Pois, “a Verdade que salva a vida acende o coração de quem a recebe com um amor para com o próximo que move a liberdade a voltar a dar aquilo que se recebeu gratuitamente”9. Esta é uma oportunidade que não devemos desprezar, já que “ser alcançados pela presença de Deus, que se faz próximo de nós no Natal, é um dom inestimável. Dom capaz de nos fazer ‘viver no abraço universal dos amigos de Deus’ naquela ‘rede de amizade com Cristo, que une céu e terra’, que alarga a liberdade humana para o seu cumprimento e que, se for vivida na sua verdade, floresce ‘num amor gratuito e cheio de solicitude pelo bem de todos os homens’. Nada é mais belo, urgente e importante que voltar a dar gratuitamente aos homens o que recebemos gratuitamente de Deus!”10 Nada nos dispensa ou livra deste grave e fascinante compromisso. Dessa forma, “a alegria do Natal, que já conhecemos, enquanto nos enche de esperança, estimula-nos ao mesmo tempo a anunciar a todos a presença de Deus no meio de nós”11.
Assista ou ouça homilia do Padre Paulo Ricardo com o tema “A profecia de Santa Isabel”:
O verdadeiro anúncio é levar Jesus Cristo
Neste anúncio, temos a Virgem Maria como modelo incomparável de evangelização, pois ela “comunicou ao mundo não uma ideia, mas Jesus, Verbo encarnado”12. Depois de receber o anúncio do Arcanjo São Gabriel e da realização do Mistério da Encarnação do Verbo, a Virgem de Nazaré partiu apressadamente para as montanhas, a uma cidade de Judá. Entrou na casa de Zacarias e saudou sua prima Santa Isabel. “Ora, apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo”13. Em Santa Isabel e em seu filho São João Batista, ainda em seu ventre, se realiza o primeiro milagre de Jesus Cristo na ordem da graça. Ambos recebem o Espírito Santo através da simples saudação da Santíssima Virgem, pois ela levou o Menino Deus em seu seio à casa de São Zacarias e Santa Isabel. O Evangelho ainda não fora anunciado por Jesus Cristo, mas Ele, a Boa Nova em pessoa, estava no ventre de Maria. A Virgem Maria sempre leva seu Filho Jesus nos lábios e no coração, por isso, sua ação foi tão eficaz. Por isso, invoquemos Nossa Senhora com confiança, para que recebamos a graça de levar Jesus Cristo, o Salvador, aos homens do nosso tempo. Dessa forma, cada um de nós deve sentir a alegria de partilhar com os outros a Boa Nova do Filho de Deus: “de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna”14. Jesus Cristo está presente no meio de nós. Ele é o Emanuel, que significa Deus conosco15. Jesus não é um Deus distante, mas está sempre presente em nossas vidas. Esta presença de Jesus Cristo é o motivo de nossa alegria, que nos impulsiona a anunciar esta Boa Nova, e o verdadeiro sentido do Natal.
Uma reflexão sobre o verdadeiro sentido do Natal e a vinda de Jesus Cristo ao mundo.
Nossa Senhora e São José na gruta em Belém
Ouça homilia do Padre Paulo Ricardo com o tema “Maria, ensina-nos a amar Jesus”:
O Natal e a expectativa da vinda gloriosa de Jesus Cristo
Portanto, o verdadeiro sentido do Natal é que Jesus Cristo veio ao mundo e permanece em nosso meio: “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo”16. O Emanuel está e estará sempre presente, nos sacrários por toda a terra, na celebração dos Sacramentos, mas principalmente em nossos corações, até sua vinda definitiva no fim dos tempos17. Neste sentido, a preparação para o Natal se reveste de um caráter permanente. Pois, o Senhor Jesus está sempre conosco, mas ao mesmo tempo, a sua presença se renova através dos Sacramentos, especialmente na Liturgia. Além disso, devemos vigiar e orar18, pois podemos perder a presença do Senhor por causa de nossos pecados e também por que não sabemos o dia nem a hora19, se estamos ou não na iminência da segunda e definitiva vinda de Jesus Cristo20. Na expectativa da vinda gloriosa do Senhor, devemos preparar continuamente os nossos corações. No entanto, na segunda vinda do Senhor, não seremos mais nós que O acolheremos em nossos corações. Mas, será o próprio Filho de Deus quem preparará um lugar para nós21 e nos acolherá: “Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo”22. Sendo assim, o Natal é tempo de alegria pela vinda do Menino Jesus ao mundo, mas também é o tempo propício para renovarmos o compromisso de nos preparar continuamente para a segunda vinda do Senhor. Pois, são “felizes aqueles que lavam as suas vestes [e as alvejaram no sangue do Cordeiro23] para ter direito à árvore da vida e poder entrar na cidade pelas portas24. Isto posto, a partir deste Ano Santo da Misericórdia, acolhamos a misericórdia de Deus em nossas vidas e assumamos com determinada determinação a nossa vida espiritual. Por fim, acolhamos com amor a Virgem Maria em nossos corações, pois com ela acolheremos seu divino Filho, e vivamos com alegria a expectativa da vinda gloriosa do Salvador: “Vem, Senhor Jesus!”25
Natalino Ueda, escravo inútil de Jesus por Maria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário